Compartilhe esta página

Aprenda X em Y Minutos

Onde X=c++

C++ é uma linguagem de programação de sistemas que, de acordo com seu inventor Bjarne Stroustrup, foi concebida para

Embora sua sintaxe pode ser mais difícil ou complexa do que as linguagens mais recentes, C++ é amplamente utilizado porque compila para instruções nativas que podem ser executadas diretamente pelo processador e oferece um controlo rígido sobre hardware (como C), enquanto oferece recursos de alto nível, como os genéricos, exceções e classes. Esta combinação de velocidade e funcionalidade faz C++ uma das linguagens de programação mais utilizadas.

//////////////////
// Comparação com C
//////////////////

// C ++ é quase um super conjunto de C e compartilha sua sintaxe básica para
// declarações de variáveis, tipos primitivos, e funções. No entanto, C++ varia
// em algumas das seguintes maneiras:

// A função main() em C++ deve retornar um int, embora void main() é aceita
// pela maioria dos compiladores (gcc, bumbum, etc.)
// Este valor serve como o status de saída do programa.
// Veja http://en.wikipedia.org/wiki/Exit_status para mais informações.

int main(int argc, char** argv)
{
    // Argumentos de linha de comando são passados em pelo argc e argv da mesma
    // forma que eles estão em C.
    // argc indica o número de argumentos,
    // e argv é um array de strings, feito C (char*) representado os argumentos
    // O primeiro argumento é o nome pelo qual o programa foi chamado.
    // argc e argv pode ser omitido se você não se importa com argumentos,
    // dando a assinatura da função de int main()

    // Uma saída de status de 0 indica sucesso.
    return 0;
}

// Em C++, caracteres literais são um byte.
sizeof('c') == 1

// Em C, caracteres literais são do mesmo tamanho que ints.
sizeof('c') == sizeof(10)

// C++ tem prototipagem estrita
void func(); // função que não aceita argumentos

// Em C
void func(); // função que pode aceitar qualquer número de argumentos

// Use nullptr em vez de NULL em C++
int* ip = nullptr;

// Cabeçalhos padrão C estão disponíveis em C++,
// mas são prefixados com "c" e não têm sufixo .h

#include <cstdio>

int main()
{
    printf("Hello, world!\n");
    return 0;
}

///////////////////////
// Sobrecarga de função
///////////////////////

// C++ suporta sobrecarga de função
// desde que cada função tenha parâmetros diferentes.

void print(char const* myString)
{
    printf("String %s\n", myString);
}

void print(int myInt)
{
    printf("My int is %d", myInt);
}

int main()
{
    print("Hello"); // Funciona para void print(const char*)
    print(15); // Funciona para void print(int)
}

/////////////////////////////
// Parâmetros padrão de função
/////////////////////////////

// Você pode fornecer argumentos padrões para uma função se eles não são
// fornecidos pelo chamador.

void doSomethingWithInts(int a = 1, int b = 4)
{
    // Faça alguma coisa com os ints aqui
}

int main()
{
    doSomethingWithInts();      // a = 1,  b = 4
    doSomethingWithInts(20);    // a = 20, b = 4
    doSomethingWithInts(20, 5); // a = 20, b = 5
}

// Argumentos padrões devem estar no final da lista de argumentos.

void invalidDeclaration(int a = 1, int b) // Erro!
{
}


/////////////
// Namespaces (nome de espaços)
/////////////

// Namespaces fornecem escopos distintos para variável, função e outras
// declarações. Namespaces podem estar aninhados.

namespace First {
    namespace Nested {
        void foo()
        {
            printf("This is First::Nested::foo\n");
        }
    } // Fim do namespace aninhado
} // Fim do namespace First

namespace Second {
    void foo()
    {
        printf("This is Second::foo\n")
    }
}

void foo()
{
    printf("This is global foo\n");
}

int main()
{
    // Assuma que tudo é do namespace "Second" a menos que especificado de
    // outra forma.
    using namespace Second;

    foo(); // imprime "This is Second::foo"
    First::Nested::foo(); // imprime "This is First::Nested::foo"
    ::foo(); // imprime "This is global foo"
}

///////////////
// Entrada/Saída
///////////////

// C ++ usa a entrada e saída de fluxos (streams)
// cin, cout, and cerr representa stdin, stdout, and stderr.
// << É o operador de inserção e >> é o operador de extração.

#include <iostream> // Inclusão para o I/O streams

using namespace std; // Streams estão no namespace std (biblioteca padrão)

int main()
{
   int myInt;

   // Imprime na saída padrão (ou terminal/tela)
   cout << "Enter your favorite number:\n";
   // Pega a entrada
   cin >> myInt;

   // cout também pode ser formatado
   cout << "Your favorite number is " << myInt << "\n";
   // imprime "Your favorite number is <myInt>"

    cerr << "Usado para mensagens de erro";
}

//////////
// Strings
//////////

// Strings em C++ são objetos e têm muitas funções de membro
#include <string>

using namespace std; // Strings também estão no namespace std (bib. padrão)

string myString = "Hello";
string myOtherString = " World";

// + é usado para concatenação.
cout << myString + myOtherString; // "Hello World"

cout << myString + " You"; // "Hello You"

// Em C++, strings são mutáveis e têm valores semânticos.
myString.append(" Dog");
cout << myString; // "Hello Dog"


/////////////
// Referência
/////////////

// Além de indicadores como os de C, C++ têm _referências_. Esses são tipos de
// ponteiro que não pode ser reatribuída uma vez definidos e não pode ser nulo.
// Eles também têm a mesma sintaxe que a própria variável: Não * é necessário
// para _dereferencing_ e & (endereço de) não é usado para atribuição.

using namespace std;

string foo = "I am foo";
string bar = "I am bar";


string& fooRef = foo; // Isso cria uma referência para foo.
fooRef += ". Hi!"; // Modifica foo através da referência
cout << fooRef; // Imprime "I am foo. Hi!"

// Não realocar "fooRef". Este é o mesmo que "foo = bar", e foo == "I am bar"
// depois desta linha.

fooRef = bar;

const string& barRef = bar; // Cria uma referência const para bar.
// Como C, valores const (e ponteiros e referências) não podem ser modificado.
barRef += ". Hi!"; // Erro, referência const não pode ser modificada.

//////////////////////////////////////////
// Classes e programação orientada a objeto
//////////////////////////////////////////

// Primeiro exemplo de classes
#include <iostream>

// Declara a classe.
// As classes são geralmente declarado no cabeçalho arquivos (.h ou .hpp).
class Dog {
    // Variáveis de membro e funções são privadas por padrão.
    std::string name;
    int weight;

// Todos os membros a seguir este são públicos até que "private:" ou
// "protected:" é encontrado.
public:

    // Construtor padrão
    Dog();

    // Declarações de função Membro (implementações a seguir)
    // Note que usamos std :: string aqui em vez de colocar
    // using namespace std;
    // acima.
    // Nunca coloque uma declaração "using namespace" em um cabeçalho.
    void setName(const std::string& dogsName);

    void setWeight(int dogsWeight);

    // Funções que não modificam o estado do objecto devem ser marcadas como
    // const. Isso permite que você chamá-los se for dada uma referência const
    // para o objeto. Além disso, observe as funções devem ser explicitamente
    // declarados como _virtual_, a fim de ser substituídas em classes
    // derivadas. As funções não são virtuais por padrão por razões de
    // performance.

    virtual void print() const;

    // As funções também podem ser definidas no interior do corpo da classe.
    // Funções definidas como tal são automaticamente embutidas.
    void bark() const { std::cout << name << " barks!\n" }

    // Junto com os construtores, C++ fornece destruidores.
    // Estes são chamados quando um objeto é excluído ou fica fora do escopo.
    // Isto permite paradigmas poderosos, como RAII
    // (veja abaixo)
    // Destruidores devem ser virtual para permitir que as classes de ser
    // derivada desta.
    virtual ~Dog();

}; // Um ponto e vírgula deve seguir a definição de classe.

// Funções membro da classe geralmente são implementados em arquivos .cpp.
void Dog::Dog()
{
    std::cout << "A dog has been constructed\n";
}

// Objetos (como strings) devem ser passados por referência
// se você pretende modificá-los, ou com const caso contrário.
void Dog::setName(const std::string& dogsName)
{
    name = dogsName;
}

void Dog::setWeight(int dogsWeight)
{
    weight = dogsWeight;
}

// Observe que "virtual" só é necessária na declaração, não a definição.
void Dog::print() const
{
    std::cout << "Dog is " << name << " and weighs " << weight << "kg\n";
}

void Dog::~Dog()
{
    std::cout << "Goodbye " << name << "\n";
}

int main() {
    Dog myDog; // imprime "A dog has been constructed"
    myDog.setName("Barkley");
    myDog.setWeight(10);
    myDog.printDog(); // imprime "Dog is Barkley and weighs 10 kg"
    return 0;
} // imprime "Goodbye Barkley"

// herança:

// Essa classe herda tudo público e protegido da classe Dog
class OwnedDog : public Dog {

    void setOwner(const std::string& dogsOwner)

    // Substituir o comportamento da função de impressão de todas OwnedDogs.
    // Ver http://en.wikipedia.org/wiki/Polymorphism_(computer_science)#Subtyping
    // Para uma introdução mais geral, se você não estiver familiarizado com o
    // polimorfismo subtipo. A palavra-chave override é opcional, mas torna-se
    // na verdade você está substituindo o método em uma classe base.
    void print() const override;

private:
    std::string owner;
};

// Enquanto isso, no arquivo .cpp correspondente:

void OwnedDog::setOwner(const std::string& dogsOwner)
{
    owner = dogsOwner;
}

void OwnedDog::print() const
{
    Dog::print(); // Chame a função de impressão na classe Dog base de
    std::cout << "Dog is owned by " << owner << "\n";
    // Prints "Dog is <name> and weights <weight>"
    //        "Dog is owned by <owner>"
}

//////////////////////////////////////////
// Inicialização e Sobrecarga de Operadores
//////////////////////////////////////////

// Em C ++, você pode sobrecarregar o comportamento dos operadores, tais como
// +, -, *, /, etc. Isto é feito através da definição de uma função que é
// chamado sempre que o operador é usado.

#include <iostream>
using namespace std;

class Point {
public:
    // Variáveis membro pode ser dado valores padrão desta maneira.
    double x = 0;
    double y = 0;

    // Define um construtor padrão que não faz nada
    // mas inicializar o Point para o valor padrão (0, 0)
    Point() { };

    // A sintaxe a seguir é conhecido como uma lista de inicialização
    // e é a maneira correta de inicializar os valores de membro de classe
    Point (double a, double b) :
        x(a),
        y(b)
    { /* Não fazer nada, exceto inicializar os valores */ }

    // Sobrecarrega o operador +.
    Point operator+(const Point& rhs) const;

    // Sobrecarregar o operador +=.
    Point& operator+=(const Point& rhs);

    // Ele também faria sentido para adicionar os operadores - e -=,
    // mas vamos pular para sermos breves.
};

Point Point::operator+(const Point& rhs) const
{
    // Criar um novo ponto que é a soma de um e rhs.
    return Point(x + rhs.x, y + rhs.y);
}

Point& Point::operator+=(const Point& rhs)
{
    x += rhs.x;
    y += rhs.y;
    return *this;
}

int main () {
    Point up (0,1);
    Point right (1,0);
    // Isto chama que o operador ponto +
    // Ressalte-se a chamadas (função)+ com direito como seu parâmetro...
    Point result = up + right;
    // Imprime "Result is upright (1,1)"
    cout << "Result is upright (" << result.x << ',' << result.y << ")\n";
    return 0;
}

/////////////////////////
// Tratamento de Exceções
/////////////////////////

// A biblioteca padrão fornece alguns tipos de exceção
// (see http://en.cppreference.com/w/cpp/error/exception)
// mas qualquer tipo pode ser jogado como uma exceção
#include <exception>

// Todas as exceções lançadas dentro do bloco try pode ser capturado por
// manipuladores de captura subseqüentes
try {
    // Não aloca exceções no heap usando _new_.
    throw std::exception("A problem occurred");
}
// Capturar exceções por referência const se eles são objetos
catch (const std::exception& ex)
{
  std::cout << ex.what();
// Captura qualquer exceção não capturada pelos blocos _catch_ anteriores
} catch (...)
{
    std::cout << "Exceção desconhecida encontrada";
    throw; // Re-lança a exceção
}

///////
// RAII
///////

// RAII significa alocação de recursos é de inicialização.
// Muitas vezes, é considerado o paradigma mais poderoso em C++, e é o
// conceito simples que um construtor para um objeto adquire recursos daquele
// objeto e o destruidor liberá-los.

// Para entender como isso é útil,
// Considere uma função que usa um identificador de arquivo C:
void doSomethingWithAFile(const char* filename)
{
    // Para começar, assuma que nada pode falhar.

    FILE* fh = fopen(filename, "r"); // Abra o arquivo em modo de leitura.

    doSomethingWithTheFile(fh);
    doSomethingElseWithIt(fh);

    fclose(fh); // Feche o arquivo.
}

// Infelizmente, as coisas são levemente complicadas para tratamento de erros.
// Suponha que fopen pode falhar, e que doSomethingWithTheFile e
// doSomethingElseWithIt retornam códigos de erro se eles falharem. (As
// exceções são a forma preferida de lidar com o fracasso, mas alguns
// programadores, especialmente aqueles com um conhecimento em C, discordam
// sobre a utilidade de exceções). Agora temos que verificar cada chamada para
// o fracasso e fechar o identificador de arquivo se ocorreu um problema.

bool doSomethingWithAFile(const char* filename)
{
    FILE* fh = fopen(filename, "r"); // Abra o arquivo em modo de leitura
    if (fh == nullptr) // O ponteiro retornado é nulo em caso de falha.
        return false; // Relate o fracasso para o chamador.

    // Suponha cada função retorne false, se falhar
    if (!doSomethingWithTheFile(fh)) {
        fclose(fh); // Feche o identificador de arquivo para que ele não vaze.
        return false; // Propague o erro.
    }
    if (!doSomethingElseWithIt(fh)) {
        fclose(fh); // Feche o identificador de arquivo para que ele não vaze.
        return false; // Propague o erro.
    }

    fclose(fh); // Feche o identificador de arquivo para que ele não vaze.
    return true; // Indica sucesso
}

// Programadores C frequentemente limpam isso um pouco usando Goto:
bool doSomethingWithAFile(const char* filename)
{
    FILE* fh = fopen(filename, "r");
    if (fh == nullptr)
        return false;

    if (!doSomethingWithTheFile(fh))
        goto failure;

    if (!doSomethingElseWithIt(fh))
        goto failure;

    fclose(fh); // Close the file
    return true; // Indica sucesso

failure:
    fclose(fh);
    return false; // Propague o erro.
}

// Se as funções indicam erros usando exceções,
// as coisas são um pouco mais limpo, mas ainda abaixo do ideal.
void doSomethingWithAFile(const char* filename)
{
    FILE* fh = fopen(filename, "r"); // Abra o arquivo em modo de leitura.
    if (fh == nullptr)
        throw std::exception("Não pode abrir o arquivo.");

    try {
        doSomethingWithTheFile(fh);
        doSomethingElseWithIt(fh);
    }
    catch (...) {
        fclose(fh); // Certifique-se de fechar o arquivo se ocorrer um erro.
        throw; // Em seguida, re-lance a exceção.
    }

    fclose(fh); // Feche o arquivo
    // Tudo ocorreu com sucesso!
}

// Compare isso com o uso de C++ classe fluxo de arquivo (fstream) fstream usa
// seu destruidor para fechar o arquivo. Lembre-se de cima que destruidores são
// automaticamente chamado sempre que um objeto cai fora do âmbito.
void doSomethingWithAFile(const std::string& filename)
{
    // ifstream é curto para o fluxo de arquivo de entrada
    std::ifstream fh(filename); // Abra o arquivo

    // faça alguma coisa com o arquivo
    doSomethingWithTheFile(fh);
    doSomethingElseWithIt(fh);

} // O arquivo é automaticamente fechado aqui pelo destructor

// Isto tem _grandes_ vantagens:
// 1. Não importa o que aconteça,
//    o recurso (neste caso, o identificador de ficheiro) irá ser limpo.
//    Depois de escrever o destruidor corretamente,
//    É _impossível_ esquecer de fechar e vazar o recurso
// 2. Nota-se que o código é muito mais limpo.
//    As alças destructor fecham o arquivo por trás das cenas
//    sem que você precise se preocupar com isso.
// 3. O código é seguro de exceção.
//    Uma exceção pode ser jogado em qualquer lugar na função e a limpeza
//    irá ainda ocorrer.

// Todos códigos C++ usam RAII extensivamente para todos os recursos.
// Outros exemplos incluem
// - Memória usa unique_ptr e shared_ptr
// - Contentores - a lista da biblioteca ligada padrão,
//   vetor (i.e. array de autodimensionamento), mapas hash, e assim por diante
//   tudo é automaticamente destruído quando eles saem de escopo
// - Mutex usa lock_guard e unique_lock


/////////////////////
// Templates
/////////////////////

// Templates em C++ são utilizados para programação genérica, ou seja,
// utilizar um tipo de dado genérico onde possa suportar qualquer entrada.
// Por exemplo, invés de criar uma função que apenas some inteiros, você
// poderá fazer uma função que soma double, float e inteiros em uma única
// definição para reutilizar código.

// Definimos um função que utiliza um "typename"
template<class T>
T soma(T a, T b) {
  return A + B;
}

// E agora para executá-la
int i=5, j=6, k;
double f=2.0, g=0.5, h;
k=sum<int>(i,j);
h=sum<double>(f,g);

// Deste modo, não precisamos fazer overload nas funções! (:

Leitura Adicional:

Uma referência atualizada da linguagem pode ser encontrada em http://cppreference.com/w/cpp

Uma fonte adicional pode ser encontrada em http://cplusplus.com


Sugestões ou correções? Abra uma issue no repositório do Github, ou faça um Pull Request você mesmo!

Originalmente contribuído por Steven Basart e atualizado por 0 colaborador(es).